Ferraz participa de encontro sobre prevenção contra suicídio

Ferraz participa de encontro sobre prevenção contra suicídio

Integrantes da equipe da Secretaria de Saúde de Ferraz de Vasconcelos participaram nesta quinta-feira, 20 de setembro, do “2º Encontro das Redes de Atenção às Violências do Alto Tietê”. O evento ocorreu na Universidade Mogi das Cruzes (UMC) e foi realizado em alusão ao Setembro Amarelo, mês dedicado a conscientização e prevenção ao suicídio.

Com o tema “Prevenção ao Suicídio na Adolescência”, os presentes puderam aprender por meio de palestras com psicólogos e enfermeiros. Representando Ferraz nas discussões, estiverem presentes as servidoras do Programa Municipal de Prevenção à Violência, Silvana de Lissa e Joana D’Arc, e os profissionais do Serviço de Atendimento Especializado (SAE), Alexandre Cople e Gernan Junior. Equipes de saúde das 11 cidades da região do Alto Tietê também estiveram presentes.

No encontro, foram apresentados números relacionados à violência e suicídio, também mostrando que aproximadamente 40% de casos de violência ou possíveis suicídios não são notificados ou são registrados de forma incompleta. Diante do aparato de informações, os profissionais da saúde foram orientados a ficarem ainda mais atentos em seus respectivos departamentos.

De acordo com o psicólogo do SAE, Alexandre Cople, lutar contra o suicídio já faz parte da realidade da Saúde ferrazense. “Às vezes nós somos quem damos a notícia ao paciente do SAE de que ele está com o vírus HIV, por exemplo, por isso nossa atenção tem que estar redobrada nesta hora, pois sabemos que o pensamento de suicídio pode passar na cabeça daquela pessoa, nessa e em outras situações, mas mesmo que isso não resolverá nada. A forma como agimos e apoiamos o ferrazense nessa hora deve ser pensada, profissional e humanizada”, afirmou Cople.

Ainda de acordo com Alexandre Cople, depois da capacitação em Mogi das Cruzes, a ideia de atender um suicida em potencial de maneira adequada só é reforçada. “Podemos confundir este comportamento com timidez ou apenas isolamento social, mas pode ser muito mais do que isso. O atendimento inicial deve ser realizado de maneira que a pessoa se sinta totalmente assistida e apoiada, inclusive pela família, e em Ferraz, é pela melhora deste serviço que vamos lutar”, disse.

TEXTO: Leticia Riente

FOTOS: DeCom Ferraz